Distúrbios Ejaculatórios



Os distúrbios ejaculatórios são definidos como uma dificuldade no processo de ejaculação, mesmo nas situações em que os demais comportamentos sexuais são normais. Considerada como uma das formas mais comuns de disfunção sexual, os distúrbios ejaculatórios podem estar associados a diversos fatores, assumindo formas variadas. Conheça abaixo os quatro tipos principais de Distúrbios Ejaculatórios:

Ejaculação Precoce

Esta é a condição mais comum e acontece quando o homem não consegue controlar a ejaculação, chegando rapidamente ao orgasmo, em algumas situações antes mesmo até da penetração. Esta disfunção sexual masculina costuma ocorrer mais frequentemente entre adolescentes, embora também afete adultos e, muitas vezes, está relacionada a fatores psicológicos, como ansiedade, estresse ou medo.

Ejaculação Retardada

Ao contrário da Ejaculação Precoce, esta condição é caracterizada por um atraso significativo da ejaculação. Neste caso, o homem é incapaz de liberar o esperma, mesmo apresentando normalmente a ereção, o desejo e a estimulação sexual. A ejaculação pode vir 30 ou 60 minutos após a relação e em muitos casos nem acontecer. Na sua forma mais severa, a ejaculação retardada pode resultar numa situação de “incompetência ejaculatória”, em que o homem é incapaz de ejacular enquanto realiza o ato sexual. Suas causas também estão relacionadas ao psicológico; uso continuado de alguns medicamentos, especialmente os antidepressivos; uso excessivo de álcool e drogas; distúrbios hormonais; diabetes; lesões dos nervos da medula ou pélvicos; cirurgias pélvicas e distúrbios da próstata.

Ejaculação Retrógada

Considerada o tipo mais raro, nesta situação, embora o homem consiga ter relações sexuais normalmente, no momento da ejaculação, em vez de o esperma se deslocar para a parte superior da uretra, saindo pelo pênis, ele é transportado até a bexiga, sendo eliminado junto com a urina. A má função do esfíncter uretral masculino interno que resulta na ejaculação retrógrada pode ocorrer em função de uma ressecção cirúrgica; diabetes; desordens neurológicas, como esclerose múltipla e traumatismos na coluna; lesões locais, devido à cirurgia ou traumatismo; e utilização de determinados medicamentos para o tratamento de problemas cardíacos ou para regularizar a pressão.

Anejaculação

A condição é caracterizada quando o indivíduo que sempre teve ejaculação e orgasmos perfeitamente normais e não sofre com o distúrbio da ejaculação retardada passa a perceber que, durante o orgasmo não está mais havendo ejaculação. Esta ausência de ejaculação durante o orgasmo pode ter como fatores desencadeantes lesões em vias nervosas responsáveis pela ejaculação, como ausência de vesículas seminais ou glândula prostática; fatores psicológicos e o uso de medicamentos que relaxam o colo da bexiga, para tratamento de distúrbios urinários, por exemplo.

Os distúrbios da ejaculação podem ser tratados. Procure um médico especialista!

Dr wellington Alves Epaminondas

Especialista na área da Andrologia, especializado em tratamento de transtornos sexuais e terapia de reposição hormonal, Pós-Graduado em Fisiologia Humana – Faculdade Maurício de Nassau – 2016, em São Paulo.

Saiba mais
Problemas devem ser tratados por um Andrologista
VEJA TAMBÉM OUTROS TRATAMENTOS